Psicoperspectivas. Individuo y Sociedad, Vol. 20, No. 2 (2021)

Doi: 10.5027/psicoperspectivas-Vol20-Issue2-fulltext-2206
Tamaño de la letra:  Pequeña  Mediana  Grande

A produção do cuidado em saúde mental: Uma perspectiva comunitária quilombista

Renata Guerda de Araújo Santos

Resumen


Este artigo apresenta uma perspectiva comunitária quilombista sobre a produção do cuidado em saúde mental na atenção psicossocial. Trata-se de uma pesquisa etnográfica realizada na cidade de Juazeiro, Estado da Bahia (Brasil). O texto registra parte da história de uma mulher preta, nordestina e "louca". Através do relato etnográfico, construído a partir do diário de campo e de uma entrevista com uma usuária do Centro de Atenção Psicossocial, descreve um episódio que passa a marcar sua trajetória e move sua relação com o sofrimento e psiquiatrização da vida. Sob a marca do racismo, sua reivindicação em defesa da vida institucionaliza seu direito à maternidade em duas vias: a violência obstétrica e a produção da loucura. Considera-se que o racismo cria e define o sofrimento, a loucura e a morte das mulheres pretas. Neste contexto, em que raça, gênero e classe coordenam as linhas entre vida e morte, é fundamental que o cuidado e a articulação das redes possam incorporar o “quilombismo” como uma referência ética, estética, política e comunitária, capaz de constituir-se como estratégia para a atenção psicossocial.

 

Resumen
Este artículo presenta una perspectiva comunitaria quilombista respecto de la producción del cuidado en salud mental en la atención psicosocial. Se trata de una investigación etnográfica desarrollada en la ciudad de Juazeiro, Estado de Bahia (Brasil). El texto se basa en parte del historial de una mujer negra, nordestina y "loca". A través del relato etnográfico -reconstruido en base al diario de campo y una entrevista con una paciente del Centro de Atención Psicosocial, se describe un episodio traumático importante que moviliza su relación con el sufrimiento y la psiquiatrización de su vida. Su reivindicación por la defensa de la vida institucionaliza su derecho a la maternidad, bajo la consigna del racismo, de dos maneras: violencia obstétrica y locura. Se considera que el racismo genera y define el sufrimiento y la muerte de las mujeres negras. En este contexto, donde la raza, el género y la clase coordinan las líneas entre vida y muerte, es fundamental que el cuidado y la articulación de las redes puedan incorporar el "quilombismo" como un referente ético, político y comunitario capaz de constituirse como una estrategia en la atención psicosocial.Palabras clave: atención psicosocial, quilombismo, racismo


Texto completo: PDF PDF (English) XML